Brasília sob Garantia da Lei e Ordem

GARANTIA DE LEI E ORDEM

O governo decretou Garantia da Lei e Ordem na zona central de Brasília. O decreto foi uma reação à violência dos protestos dessa quarta.

DESTRUIÇÃO

As Forças Armadas controlaram o que o ministro da Defesa, Raul Jungmann classificou como baderna. O vandalismo deixou prédios de 8 ministérios depredados; dois deles foram incendiados. O protesto, convocado por centrais sindicais e movimentos de esquerda, deixou 49 feridos e 8 presos.

DIVERGÊNCIA

Os organizadores afirmam que 200 mil pessoas estiveram na Esplanada dos Ministérios, nessa quarta. A Polícia Militar contabiliza 35 mil. Os jornais Folha de S. Paulo e Estadão noticiam 45 mil.

VOLTANDO À ESTACA ZERO

O impasse sobre a sucessão do presidente Michel Temer aumentou as dúvidas sobre a continuidade da reforma da Previdência. De acordo com o jornal Valor, a lista hoje tem Tasso Jereissati, Rodrigo Maia e Nelson Jobim. O PT defende eleições diretas.

Semana decisiva para Temer

 

TEMER E O STF

Foi marcada para a próxima quarta (24) a decisão do STF se suspende ou não a abertura de inquérito contra o presidente Michel Temer. A Procuradoria Geral da República contabiliza quatro dos onze votos a favor da suspensão do inquérito.

FOLGA

O PSDB e o DEM vão esperar a decisão do Supremo para decidir se retiram o apoio ao governo. Nos bastidores, os partidos já articulam um nome de consenso para substituir Temer.

SEM RENÚNCIA

O presidente Michel Temer diz que renúncia seria uma admissão de culpa. A declaração foi feita ao jornal Folha de S. Paulo.

Prévia do PIB anuncia melhora na economia

SAINDO DA RECESSÃO

A prévia do PIB, registrada pelo Índice de Atividade Econômica do Banco Central (IBC – Br) apontou uma alta de 1,12% nos primeiro trimestre. O dado indica que o país estaria saindo da recessão.

DESCONTO NO FISCO

O governo vai permitir desconto em multas e juros no novo programa para regularização com o fisco. A decisão é considerada uma busca de votos para aprovação da reforma da Previdência.

CONTARAM ATÉ PARA OS RUSSOS

O presidente dos EUA, Donald Trump, compartilhou informações confidenciais com diplomatas russos. A informação é do Washington Post.

PETROBRAS

O custo da Petrobras caiu, reflexo da melhora na sua situação financeira. Com isso, a estatal captou US$ 4 bi em bônus, nessa terça-feira.

 

Ferrovias e gás natural na fila das privatizações

PRIVATIZAÇÕES

O programa de concessões de infraestrutura começa a licitação de ferrovias. As minutas de edital e contrato das ferrovias Ferrogrão e Norte-Sul devem ser colocadas em audiência em junho. Essa é considerada a etapa mais desafiadora do programa. As tentativas feitas nos governos Dilma e Lula, em relação às ferrovias, fracassaram.

PRIVATIZAÇÕES II

O programa de desestatização do BNDES vai colocar à vendas as empresas estaduais de gás natural. Pernambuco, Espírito Santo, Santa Catarina,  Mato Grosso do Sul, Paraíba, Rio Grande do Norte e Rio Grande do Sul estão interessados no programa. As privatizações devem ocorrer no terceiro trimestre de 2018. Hoje, o uso de gás cobre 440, dos 5.570 municípios brasileiros.

MAIS UM DEPOIMENTO

Operação avalia o envolvimento de Lula na obstrução dos trabalhos da Justiça em episódios de destruição de provas e intimidação de autoridades. O depoimento do ex-presidente à Justiça, semana passada, reforçou as suspeitas.

POLÍCIA INEFICIENTE

Levantamento da Folha de S. Paulo, mostra que a polícia se São Paulo abriu 1994 inquéritos em 2016, com uma taxa de 19% de prisões. Apesar de ser considerado ineficiente, o índice paulista supera vários estados brasileiros, que não chegam a 10% de prisões.

 

Gilmar diz que prisões são para mídia

GILMAR E A LAVA JATO

O ministro do Supremo, Gilmar Mendes, declarou que a Lava Jato usa as prisões preventivas para garantir mídia e apoio à Operação. A declaração foi feita em entrevista ao jornal Folha de S. Paulo.

JANOT x GILMAR

O procurador-geral da República, Rodrigo Janot, pediu o afastamento do ministro Gilmar Mendes no caso Eike Batista. Janot questiona a isenção do ministro. O escritório da mulher de Gilmar Mendes trabalharia para Eike Batista.

PREVIDÊNCIA AINDA EM MAIO

O governo pretende levar a reforma da Previdência ao plenário da Câmara entre os dias 24 e 31 de maio. A expectativa do Planalto é encerrar ainda hoje a votação do texto na comissão especial da Câmara.

RETORNO DO CRESCIMENTO 

Os resultados do grande varejo apresentou o primeiro crescimento, no primeiro trimestre do ano. Os resultados aparecem depois de dois anos de retração do setor.

Macron é o novo presidente da França

DEU MACRON 

Emmanuel Macron foi eleito o novo presidente da França. Ele ganhou por 66,06% contra 33,94% da ultranacionalista Marine Le Pen. Macron é o oitavo presidente da quinta república francesa.

DÉFICIT DE ENERGIA

O déficit de geração hídrica de energia deve passar R$ 39 bi esse ano. A projeção é da Câmara de Comercialização de Energia Elétrica (CCEE). O déficit de geração ocorre quando os reservatórios ficam abaixo do nível indicado.

INVESTIMENTOS 

A Agência Nacional do Petróleo estiva que, nos próximos 35 anos, haverá US$ 30 bi em investimentos para os campos de petróleo do litoral do Rio de Janeiro. Há expectativas na descoberta de reservas com, no mínimo, quatro bilhões de barris.

Sem consenso sobre prisões da Lava Jato

DIVIDIDOS

As prisões preventivas ocorridas no âmbito da Operação Lava Jato não são consenso no Supremo. O relator, ministro Edson Fachin, defende a manutenção das detenções. Gilmar Mendes, Luís Roberto Barroso, Luiz Fux e Rosa Weber são a favor da liberação dos detentos. A liberação de Antonio Palocci foi enviada ao plenário do Supremo. Fachin pretende dar mais legitimidade à decisão.

CRÍTICA INTERNACIONAL

O Fundo Monetário Internacional criticou a relação entre o Banco Central e o Tesouro Nacional. A crítica foi feita em documento sobre a transparência fiscal no Brasil. O FMI critica a forma como os lucros e prejuízos do Tesouro são registrados pelo Banco Central. Para o Fundo, é difícil avaliar a posição discal e a dinâmica da dívida do governo.

EM SÃO PAULO

Brinquedotecas e salas de leitura foram fechadas pela prefeitura de São Paulo para dar lugar à salas de aula.